Estado Novo

- Ao anunciar o golpe de Estado, Vargas apresentou uma nova constituição - mostrando que esta já estava sendo planejada há algum tempo;

- A Constituição foi apelidada de "Polaca" por ser baseada na Constituição polonesa. Nesta:

  • O presidente adquiriu total competência para editar leis que seriam atribuídas ao poder legislativo;
  • Foi instituída a pena de morte à presos políticos;
  • A autonomia dos estados foi limitada;
  • Extinguiram-se os partidos políticos;
  • Os sindicados foram colocados sob comando do Estado;
  • Foi instituída a censura prévia para jornais, revistas, livros, teatro, cinema e rádio.

- Além de todas estas rígidas leis, Getúlio Vargas decretou o fim da AIB, que em dezembro do mesmo ano tentou dar um golpe no governo, ao tentar invadir a moradia do presidente, tendo assim diversos líderes presos ou mortos;

- Vargas passou a ter o papel de mediar relações sociais, fazendo concessões às massas, com o objetivo de evitar conflitos de classes. Essa estratégia constitui o ideal populista;

- Foram muito importantes para a difusão das ideias de Vargas, os meios midiáticos, como o rádio e o jornal, que passaram a ser controlados pelo governo pela criação do Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP), que fiscalizava e censurava jornais, livros, revistas etc.;

- A ditadura do Estado Novo teve o apoio muito grande da "polícia política", que participava da repressão de opositores. Podem ser citados como exemplos de vítimas da crueldade da polícia política diversos intelectuais como Graciliano Ramos, Jorge Amado e Monteiro Lobato;

- Na área das indústrias, o governo Vargas foi muito importante pelo investimento nas indústrias de base. Além disso, criou diversas empresas estatais, como por exemplo a Companhia Siderúrgica Nacional, Companhia Vale do Rio Doce, Fábrica Nacional de Motores e a Companhia Hidrelétrica do São Francisco;

- Nesta área econômica, foi evidente a forma nacionalista e protecionista de Getúlio Vargas;

- Em 1939 foi criada a Justiça do Trabalho, com a finalidade de intermediar relações entre patrões e empregados. Com isso, o salário mínimo foi decretado por lei, além disso, foi criado o imposto sindical (contribuição anual obrigatória, paga por todos os trabalhadores para manter os sindicatos);

- Em 1943, Getúlio Vargas colocou o Brasil na Segunda Guerra Mundial, ao lado dos Aliados, pela ajuda dada pelos Estados Unidos na construção da Companhia Siderúrgica Nacional;

- Em 1943, a Consolidação das Leis do Trabalho - conjunto de normas ligada aos trabalhadores - sistematizou e ampliou a legislação trabalhista;

- No ano de 1945, após a derrota do Eixo, contradições do governo Vargas ficaram visíveis, afinal, o Brasil lutava contra regimes nazifascistas, mas vivia sob uma ditadura muito semelhante. Com isso, iniciou-se uma grande cobrança à Vargas, para ter a mesma postura, democrática, dos países vitoriosos. As manifestações se iniciaram por meio da União Nacional dos Estudantes (UNE) e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB);

- Muito pressionado, Getúlio foi obrigado a fazer uma redemocratização, ou, pelo menos flexibilizar o regime;

- Em fevereiro de 1945, iniciou uma reforma constitucional política. Novos países passaram a surgir e foram convocadas eleições para dezembro daquele ano. Foram criados:

  • União Democrática Nacional (UDN) - representante das elites opositoras a Getúlio Vargas;
  • Partido Comunista Brasileiro (PCB) - sob liderança de Luís Carlos Prestes;
  • Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) - unia os operários seduzidos pelo trabalhismo de Vargas, liderados por sindicalistas;
  • Partido Social Democrático (PSD) - representava as elites que apoiavam Vargas.

- Getúlio Vargas ganhou muito apoio nas eleições, em decorrência do trabalhismo, diversas manifestações foram feitas ao seu favor. Em passeatas surgiu o "querenismo", nascido pelos gritos de "Queremos Getúlio";

- Vargas ganhou o apoio até do PCB, de Luís Carlos Prestes, pois diziam que Getúlio seria o único que conseguiria deter o imperialismo norte-americano no Brasil;

- Em outubro de 1945, temendo a continuação de Vargas no poder, a UDN e os militares forçaram a renúncia do presidente por meio de uma ação militar.