Governo Sarney

- Ao entrar no poder, Sarney, que foi ligado a ditadura, teria a dura necessidade de acabar com o autoritarismo do período, promover a redemocratização e tirar o país da crise gerava uma inflação de até 230%;

- Com o objetivo de acelerar a redemocratização, Sarney logo convocou a Assembléia Nacional Constituinte, para ser votada em 1986;

- Ainda no ano de posse, 1985, foram reinstituídas eleições diretas para a Presidência da República, além do voto ter sido estendido a analfabetos;

- Em 1986, foi criado o Plano Cruzado, um plano de estabilização da economia, tinha como principais medidas:

  • Tabelamento e congelamento anual de preços e dos salários;
  • Criação de uma nova moeda, o Cruzado, substituindo o Cruzeiro;

- Este plano não deu certo, rapidamente os produtos tabelados começaram a desaparecer dos supermercados;

- Depois, o Brasil tentou voltar ao FMI, com o objetivo de renegociar a dívida externa, entretanto, em 1988, a inflação chegava perto de 1000% ao ano, corroendo a moeda e os salários;

- Em 1988, foi finalmente criada a nova Constituição, com as seguintes inovações:

  • Mandato de cinco anos para o presidente da República;
  • Direito de voto para jovens com idade entre 16 e 18 anos;
  • Direito de greve;
  • Redução da jornada de trabalho de 48 para 44 horas semanais;
  • Liberdade sindical;
  • Fim da censura a órgãos de comunicação e à cultura.

- Em 1989, foi criado um novo plano falho, o Plano Verão, que substituiu o Cruzado pelo Cruzado Novo, determinando novamente o congelamento dos preços. Sendo repetido o erro;

- 1989 foi o ano das primeiras eleições diretas para a Presidência da República, desde a eleição em que Jânio Quadros assumiu o poder. Em meio à "euforia democrática", 21 candidatos tentaram se eleger presidente. Dentre estes grandes nomes, os que mais se destacavam eram: Lula ( por ser um líder sindicalista), Brizola ( pelo seu estilo getulista) e Fernando Collor ( pelo apoio recebido pela Globo, decorrente de sua baixa idade, sendo difundida sua imagem);

- A classe média toda passou a apoiar Collor pelo seu dinamismo e promessas de moralização. O mesmo formou um partido chamado Partido da Reconstrução Nacional (PRN), que era constituído por políticos sem muito prestígio;

- Com todo o apoio da classe média e inferiores, Collor vence as eleições e se torna o novo presidente do Brasil.