República

 

- Teve início com o fim da Monarquia. Foi vigente entre 509 a.C. e 27 a.C.;

- Neste período, houve a consolidação da escravidão e teve início a política imperialista de Roma;

- Na divisão dos poderes:

  • O Senado passou a ser o órgão com mais poder;
  • O poder executivo era dividido entre o cônsul e o pretor;
  • As assembléias populares votavam as leis que eram criadas pelo Senado.

- Neste período, os plebeus eram marginalizados, a maioria estava sujeita a sofrer a escravidão por dívida e não tinham acesso às legislaturas. Com isso, começaram a ocorrer diversas insurreições plebéias (lutas de classe, segundo os marxistas);

- Em 494 a.C., os plebeus saíram de Roma com o objetivo de, no Monte Sagrado, fundar uma nova república. Isto gerou um grande abalo em Roma. A partir daí, foi criado então, para evitar que isso continuasse o Tribunato da Plebe. Entretanto, os tribunos eram votados na Assembléia Centuriata, que era patrícia. Assim, garantiam o poder neste órgão;

- Em 471 a.C., mais revoltas ocorreram, forçando a criação da Assembléia da Plebe. Esta elegia os tribunos da plebe e era formada só por plebeus;

- Neste mesmo século (V a.C.), teve início uma política externa imperialista, com o objetivo de conquistar terras e obter escravos;

- Em 275 a.C., Roma tinha todo o controle sobre a península Itálica. Porém, querendo continuar o projeto, Roma entrou em guerra contra Cartago, que era a grande potência comercial do período. Com isso, tiveram início as Guerras Púnicas, as quais foram divididas em três:

  • Primeira Guerra Púnica (264-241 a.C.): Ocorreu entre Roma e Cartago em decorrência do interesse em dominar a Sicília. Os romanos saíram vitoriosos;
  • Segunda Guerra Púnica (218-202 a.C.): Cartago tentou revidar o ataque de Roma, entretanto, Roma já possuía um exército forte, por causa do imperialismo. Cartago perdeu sua autonomia política;
  • Terceira Guerra Púnica (150-146 a.C.): Roma avançou sobre Cartago, incendiando a cidade e devastando-a. Escravizou seus habitantes e Cartago virou uma província Romana.

- As províncias que vinham sendo conquistadas por Roma eram administradas por um procônsul que tentava manter respeito diante das tradições e culturas desses povos, entretanto, havia enormes impostos e a população era escravizada;

- Houve as seguintes consequências com a expansão romana:

  • Aumento da quantidade de escravos;
  • Grande lucro, que fez com que Roma não cobrasse impostos dos cidadãos durante certo tempo;
  • Ruína dos pequenos proprietários, em decorrência da importação de cereais das províncias conquistadas;
  • Desemprego no campo;
  • Êxodo rural, pela crise do campo;
  • Conflitos sociais decorrentes do caos urbano criado pelo desemprego e crise política;
  • Enorme corrupção dos funcionários do império.

- Apesar da prosperidade decorrente do imperialismo, é muito difícil cuidar de um lugar com vasta extensão territorial com líderes corruptos. Com isso, teve início uma grande crise;

- Outro grande motivo para a crise foi a impotência dos governos de sustentarem os desempregados;

- Entre 133 a.C. e 121 a.C., os irmãos Graco tentaram fazer uma série de reformas;

- Tibério Graco, foi eleito tribuno da plebe. Criou leis que buscavam regulamentar a posse de terras públicas por particulares, tentando elaborar uma "reforma agrária". Com esta ideia, Tibério acabou por ser assassinado pela aristocracia, em 132 a.C.;

- Com isso, entrou no poder Caio Graco, irmão de Tibério que aplicou a lei de reforma agrária em Cápua e Tarento;

- Além disso, criou a Lei Frumentária, que determinava o fornecimento de trigo e pão para os pobres de Roma a preços muito baixos;

- Também sofreu perseguições e acabou pedindo com que um escravo o matasse;

- Após isto, a plebe romana se uniu a cavalaria romana, que era formada por comerciantes ricos e lutaram contra a hegemonia dos patrícios. O Senado passou a ter seu poder ameaçado. Enquanto isso, alguns generais ganhavam prestígio político e apoio popular. Assim, conseguiram subir ao poder e instaurar uma ditadura;

- Caio Mário se elegeu cônsul por seis vezes seguidas no período entre 106 a.C. a 100 a.C. por ser de origem plebéia e ter apoio popular;

- Este fez uma grande reforma militar, criando o soldo. Entretanto, tinha excessos demagógicos que irritaram a oposição, a qual o tirou do poder sob liderança de Cornélio Sila;

- Este acontecimento citado acima gerou uma grande guerra civil que durou cinco anos;

- O governo de Cornélio Sila foi marcado foi marcado por medidas de limitação do Tribunato da Plebe, de reforços do poder militar e senatorial;

- Próximo de 60 a.C., houve um acordo entre as camadas sociais chamado de Primeiro Triunvirato, formado por Crasso, Pompeu e Júlio César;

- Crasso era um cavaleiro rico; Pompeu um patrício e Júlio César um político de origem aristocrática que tinha grande popularidade;

- O poder romano foi dividido entre estes três triúnviros;

- Seis anos depois, Crasso foi morto em um combate e Pompeu se tornou cônsul único. Isto foi decidido pelo Senado. Júlio César decidiu então, combater as forças do Senado e de Pompeu, vencendo e se tornando ditador. Com isso, a República se tornou um regime autoritário;

- Durante seu governo, Júlio César ganhou diversos cargos, passando a ter poderes absolutos. Com isso, fez as seguintes mudanças:

  • Limitou os poderes do Senado;
  • Conseguiu restabelecer a paz em Roma;
  • Deu terras a soldades;
  • Obrigou grandes proprietários a dar empregos a homens livres;
  • Fez uma reforma no calendário romano.

- Em 44 a.C., morre Júlio César, gerando uma grande revolta popular. Marco Antônio consegue explorá-la por ser amigo e seguidor do antigo ditador;

- Junto a Lépido e Otaviano e Marco Antônio, é feito o Segundo Triunvirato, entrando os três no poder;

- Em 40 a.C., houve uma nova divisão no Triunvirato: Lépido foi mandado para a África, Marco Antônio para o Oriente e Otaviano para o Ocidente. Assim começaram a haver conflitos entre os três pelo poder total;

- Otaviano, que possuía o apoio do Senado, derrotou Marco Antônio, o qual tinha apoio de Cleópatra. Com isso, virou senhor do Egito. Além disso, impôs-se como cônsul único de Roma;

- Otaviano ganhou diversos títulos e cargos que lhe deram poder absoluto. Um dos títulos que Otaviano ganhou foi o de imperator e outro de augustus, ganhando poderes divínos. Assim, a República de Roma chegava ao fim e virava um Império.